quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Just Mailon

Mailon, seria o nome de meu cachorro.
Igualzinho àquêle que rouba a cena
no filme do Máscara. Um simples Fox,
marrom meio amarelo ( amarelo meio marrom ?) , com branco.

Mailon teria casa própria, de madeira, com bom telhado,
nos fundos da minha. Se bem, pode acontecer com o tempo,
que Mailon queira que eu passe para a casa dele e ele para a minha.

Seguramente, é muito mais inteligente e esperto do que eu.
Mailon latiria, quando eu chegasse, gastaria seu tempo correndo
atrás dos Joãos de Barro. Encheria o saco, ao redor de uma mesa de sinuca,
depois de um churras.

Como moro em apartamento- Mailon vai ter que esperar,
quer dizer, eu vou ter que esperar- decidi não ter cachorro:
nem certo, nem errado, just me...

24-12-08

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Esgôto a céu aberto

A santa ingenuidade não sabia
que vereador é cabo eleitoral de senador e deputado
acorda, santa, já é dia
teu imposto vai ser elevado.................... ao quadrado

18-12-08

domingo, 23 de novembro de 2008

Entorno

Voltamos às cidades natais, prédios e distâncias encolhem
Na adolescência, as ruas perdem-se no horizonte
O presente é a imagem na retina, são belos os jardins sem grades

A melancolia é uma mesa na calçada (repleta de cerveja) e turma em algazarra.
A moça mais linda da cidade, um dia será minha namorada...

A mendiga--de nome flor da praça-- acompanha os engraxates que vem pedir banana no armazém

Quando o sino da igreja emite sons agudos, é porque falece uma criança
O rio Carreiro e eu estamos mais calmos, acho que é por causa das secas de cada um



23-11-08

sábado, 22 de novembro de 2008

A fiscal

De tanto usar a vaselina, que comprava na farmácia, atingiu seu objetivo
Tornou-se fiscal de um órgão qualquer

"Vítima do sistema", diziam seus apoiadores : como os escritores maníacos e depressivos, quando escrevem algo, matam o maníaco dentro deles.
Como são  incapazes de extinguir fiscais, deprimem-se
Curam a depressão, quando comem suas psicanalistas, de modo que,
elas também se tratam. Mas essa é outra história...

Tinha tanta corrida no corpo, essa fiscal, que batizaram uma égua no prado com seu nome.
Na raia 3, "fiscal"
Saiu de cena, com o tempo, devido à escassez de apostas no seu nome, descrédito diziam,
mas era só um bico

Almejava voos mais altos. Política partidária no Brasil
Qualquer sigla, pra aperfeiçoar sua sacanagem


22-11-08

sábado, 8 de novembro de 2008

Eles "amam" animais

Eles saem de casa pra trabalhar
Deixam o cachorro trancado, solitário
Chorando no apartamento

No lugar do coração levam uma pedra
No lugar do cérebro, o intestino de um jumento

08-11-08

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Gerente

Tem cachorro, duas Iguanas, três celulares...
Um parque perto de casa, único lugar para ir
Casa própria é o máximo
Uma cama pra dormir

Passa o tempo, muda a direção do vento
Sempre é tempo de emergir

Gerencia a solidão, profissão não remunerada
Não compreende seu existir

17-10-2008

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Estação Osvaldo Cruz

Fosse o samba acabar
Não haveria essa de mãos dadas com ela
Negras almas, azuis e brancas
A cantar vivas à Portela

Lágrimas que benzem o samba
Feitiço colorido de amor, nunca vi coisa mais bela
Eterna casa de bambas, minha Portela
Bálsamo pra tanta dor

11-10-08

sábado, 30 de agosto de 2008

Assado estiloso

Frente a um restaurante,
a placa anuncia:
"Churrasco de carne nobre e com estilo"
carne nobre, tudo bem, entendo,
Carne com estilo?
Apetite combina estilos,
fome, não...

30-08-08

sábado, 23 de agosto de 2008

Mala de papel

Você sabe que o cara não é seu amigo:
Quando dá muita explicação
Quando, pra lhe agradar, começa a usar frases que não são dele
Quando nunca diz nada diretamente
Quando, assim como eu, diz (na cara dele) que não é amigo

23-08-08

segunda-feira, 14 de julho de 2008

Lado A, Lado B

Esse cara, de nome B
Reizinho do lado escuro
Quando desce do muro
Faz tudo pra aparecer

Seu humor anuncia
Em alto mar há tormenta
O lado A é quem aguenta
As "delicadezas" do dia

Nas finitas, alegres jornadas
Quando A se ausenta de B

É incrível de se ver
Parece convite da madrugada
Pra festa, onde A quer você

14-07-08

quinta-feira, 10 de julho de 2008

Minestrone

Abrigas-te cama adentro, a derramar lágrimas sobre lençóis
O rio tomado de anzóis é o combustível que te move

O quarto vazio parece um palco
Divide-se o corpo(em dois) como cortinas
Arde em brasa
Leva tua caça ladeira acima

Abre a geladeira, serve-te do que quiseres
Não bate a porta da sala, és o "sim" de muitas mulheres

10-07-08

sábado, 28 de junho de 2008

Parparaíso

Guardei duas maravilhas dentro de um livro

Duas fotografias, duas praias perdidas
Perdidamente juntas

Tão caras para mim
Que as enfiei num cofre de palavras

Agora, tenho ambas na memória
Não sei qual é o exemplar
Que guarda os pedaços da história

28-06-08

terça-feira, 24 de junho de 2008

Saga

Toda vez que o mar
beija a areia de Tambaba
o amor agradece

Parece saga de Netuno

Da primeira vez
deixou crescer uma palmeira
no rochedo dentro do mar
para eternizar o momento

Sabe tudo este Deus
que vive dentro das ondas
vem e volta com as marés
como se fosse um amante latino...

24-06-08

domingo, 22 de junho de 2008

Quase uma graça

Em manhã de frio, não deveria faltar cobertor
Ressurgir, somente depois do café

Amar nas Tambabas da tarde
Morrer ou viver nas noites da Lapa

Morder o sonho, lamber o recheio
Assim deveria proceder o dia

22-06-08

quinta-feira, 19 de junho de 2008

Longe dos gabinetes

Para onde corre esse rio
Esse imã dentro do peito

Não arrasta consigo amargura
Namora a melancolia
Prima irmã do lamento

Servo do mistério, esse rio
Que corta o vale da paixão
Que deságua no mar das palavras

19-06-08

quinta-feira, 12 de junho de 2008

Eletrocardiograma

Coração errante, como te enganas
Navegar na tempestade
Por causa de uma chama

Ingênuo e descuidado
Atravessa o samba quando bate
Resta inteiro machucado

Ressucitado coração
Brinca até chegar a dor no peito
Chora coração, sorrindo do seu jeito

12-06-08

terça-feira, 10 de junho de 2008

Comissão no mole

Primeira consulta na analista, sugeriu à Doutora
Que começasse sem comprimidos

Foram só cinco minutos, saiu com duas folhas de receita
Pior do que tapa no ouvido

10-06-08

domingo, 8 de junho de 2008

Carrossel

Sobre Freddie Hubbard, eu não sei
Miles Davis toca hoje com os deuses

Buddy Guy é "motherfucker"

Chico Buarque dispensa comentários, é brasileiro
Além de Blues, samba e poesia
Respira-se jazz o tempo inteiro

08-06-2008

quarta-feira, 4 de junho de 2008

Gata boêmia

A gata lá de casa
Já cansou de caçar rato
Fez amizade com cachorro
Não deita mais em qualquer saco

Minha gata é bem safada
Agora sai na madrugada
Geme, e não é de socorro

Volta toda moderninha
Exige leite no seu prato

04-06-2008

Fotografia,  novembro de 2015


quinta-feira, 29 de maio de 2008

Poemas pertencentes à classe média

Os impostos o levaram
Não retornarão
Foram morar  em Brasília

29-05-08

Vagão Buarque viaja pela Holanda

Gil amava Lia
que amava Carlos
que amava Vera
que amava Rui
que amava Sônia
que sofria de insônia
porque amava Pedro
que amava Eunice
que amava Chico
que já amou Marieta
que ama alguém
e esse alguém ama Márcia
que ama Marlene
que ama Ernesto
que ama Cláudia
que não quer amor por perto
como se dela dependesse
a hora do amor chegar.....

29-05-08

sexta-feira, 23 de maio de 2008

Cena 1

Exposição de bugigangas sobre a mesa
Toca o telefone, não iniciem a partilha antes de chegar a jararaca
Quer, não quer, agora sim
Enche o porta-malas de bagulhos, lá se vai para mais um round contra si

23-05-08

sexta-feira, 16 de maio de 2008

Sulcos na pele

Já pensei em expulsar-te num escarro
Tentei esconder-te em um baú no sótão
Junto às fotografias

Qual nada, estás em mim como a alegria das madrugadas
O fel nos tristes dias

És a rotina de um acorde de blues, a malandragem de um samba
A história no espelho
A cicatriz que gerou poesia

16-05-08

terça-feira, 13 de maio de 2008

Antes da endorfina

Ando pela cidade
Em vão, tento fugir das armadilhas

Percebo, sou ilha
Programada
Falante

Sou voz, cujo silêncio ecoa:
"Cuidado com o mundo urbano"

13-05-2008

sexta-feira, 9 de maio de 2008

Silêncio da palavra

A quem você engana, quando diz que é alento
De fada disfarçada, tolha-me a liberdade
Apresenta cobranças indevidas

Jamais pensei que fosse mel, reunião de letras mortais
Estranha muda
Adormecida

09-05-2008

quinta-feira, 1 de maio de 2008

Remadores

Escutam a água correr
Conversam com o rio
Até ele cansar de seus versos

Vem a  noite, volta o dia
Ecoam as vozes no fundo da canoa
Procuram o rumo certo

01-05-08

sexta-feira, 25 de abril de 2008

Casa de brinquedo

Quatro quartos
Um pequeno, três maiores
Nenhum edifício nos arredores

Na porta da frente
Sete sinos da felicidade
De gosto bem duvidoso

Geladeira repleta de doces
Suco de uva feito em casa

Azaleia no jardim

Escadaria de granito
Que derrapa na chuva, mas é bonito

Horta lá nos fundos
Um forno colonial de outro mundo

Porão, que serve de segunda casa
Quente no inverno, frio no verão
E uma enorme caixa d'água

Garagem com anexo
Churrascada aos domingos

Sanfona, cueca virada, pastel
As piadas de um pai
Uma mãe sempre sorrindo

25-04-2009

Fotografia, setembro de 2014

quarta-feira, 9 de abril de 2008

Maurício e Patrícia centrados

Trocaram as fantasias
Por uma BM não sei o quê
Mais um novo apartamento

Os nomes da vez são Mauricinho e Patricinha centrados
Frequentadores das rodas sociais
Projeção para a cura dos ais

Bem feito
Pra quem ficou deslumbrado(a)
Preferiu lata e cimento
A escutar o peito acordado

06-04-08

segunda-feira, 31 de março de 2008

Quarenta e oito horas

De vermelho e branco,
o Samba anoiteceu
Amanheceu campeão da terra,
do ar e dos mares

Soltou na correnteza
os penares...

Como na vida nada é certeza
subia o rio da minha alma a alegria
que arrastava saia pro meu coração...

Colorado, que beleza!!!

Dezembro de 2006

terça-feira, 25 de março de 2008

Dois mil e quatorze

Automóvel, caminhão
Ônibus, carroça

Homem vexa animal de tração
Vexa macaco
"Pra que mudo de cores, enfim"?
Grita o semáforo

25-03-2008

segunda-feira, 17 de março de 2008

Encomenda do Rio

Quando fores à Lapa
Visite o Carioca da Gema, por mim
Ouça Teresa Cristina
Lá, os sinos tocam por ti

Reserve uma mesa de canto
Peça Contreau, uma dose dupla de Gin
Chore uma lágrima doce
Pra afastar as coisas ruins

Se sobrar um pedaço da Aurora
Guarda no teu peito, pra mim

17-03-2008

sexta-feira, 7 de março de 2008

Lula demais pra pouco arroz

Não é preciso gritar, Inácio
Já temos um garganta na América Latina
De políticos sabemos um pouco
Falar demais não é sábio
No meio deste risoto

10-03-08

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

Posses

Assine o documento
Sem culpa por possuir a escritura

Se essa é a corda que lhe enforca no momento
Lembra dos que dormem nas lajes
Do frio que entra por  suas armaduras

21-02-2008

terça-feira, 15 de janeiro de 2008

Sentimentos

Se o que te vem é lágrima
deixe-a cair
pode ser fel
pode ser mel

Uma faxina interna
uma alegria molhada
é choro que precisa ser chorado

É como ritmo de maré
que traz peixe prá rede
é água prá matar a sede

O mar adora imitar a vida
vai quando o mar convida
chora o choro que é teu
pois o barco não traz de volta
a lágrima que a gente prendeu

15-01-08

quarta-feira, 2 de janeiro de 2008

Intrusa

Quando pergunto à minha outra pessoa
Como em mim ela interfere
Ela olha  nos meus olhos
Responde : "Ninguém faz poesia porque prefere"

Quall pessoa mora em mim
Seja a outra, ou a minha
Somos o que sentimos
Nos domínios da mesma rainha

02-01-08

Um palácio no planalto

Em uma certa ilha mágica
As frases de efeito
Vem de fábrica
Recheadas de defeitos

02-01-2008