quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Confissões de um mau dançarino

Sempre gostei de piano-bar
Desses com um único e vasto balcão
Onde espaçosas e confortáveis poltronas, lado a lado, convivem

Prefiro ficar numa das extremidades, tendo a parede como vizinha
Acomodado de costas para ela
Se houver um espelho na parede, quem estiver a meu lado
Pode ver-se nele e observar o ambiente, nunca fui fã de espelhos

Um espaço pra dançar é imprescindível
Mas que seja minúsculo
Maior o espaço, maior a sensação de solidão
Mesmo que ele esteja povoado

Raro é o aconchego que proporciona um pequeno bar, quando a meia- luz impera
E
As palavras sussurradas enciumam-se das teclas do piano

26-09-2013


quarta-feira, 25 de setembro de 2013

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Espanhol-Kai

Un  beso jugoso
En su corazòn
Precioso

20-09-2013

Curiositate

Se você quer saber
Como constrói-se um país
Olhe com olhos de aprendiz

Interesse-se pela educação
Fale e escute a língua do povo
Sonhe os sonhos dos velhos
Abra as portas ao novo

Para sentir, se o país passa bem a bola
Dê atenção aos estudantes
Aos professores nas escolas

Conheça seus comandantes
De onde vem suas posses
Que "interesses" , na pátria, eles veem

Se ela pudesse falar
Você poderia imaginar a vergonha
Que a nossa pátria tem

20-09-2013

terça-feira, 17 de setembro de 2013

Aluando

Invento um mar de brinquedo
Só pra ver  teu barco passar
Sou criança no escuro, sem medo
Natureza que quer versejar

Pirata, guardo teu mapa em segredo
Sou lua, pra quem quer namorar

Queiramos, ou não
És meu tesouro
Não há reino que possa negar

17-09-2013

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

sábado, 7 de setembro de 2013

Poematual

Que culpa tenho, se não sou gay ?
Que culpa tenho, se gosto de mulher ?

Se não gosto de sopa
Nem de comer com colher

07-09-2013

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

domingo, 1 de setembro de 2013

Destinatária(o)

Azoe
Um coração

Grafe ao seu amor
À mão


01-09-2013

Fotografia, agosto de 2013

O "pastor" da igreja

No altar prega  paz aos aflitos
Hábil voz que disfarça
Oculta a trama, a farsa
Sempre acompanhada de gritos

Desejoso em praticar um gesto nobre
O rebanho se rende, submisso
Ao avarento entrega parte do cobre
Atesta-se, então, o feitiço

01-09-2013