segunda-feira, 29 de junho de 2009

sexta-feira, 26 de junho de 2009

Teia

A vergonha, em Brasília, nasce de azuis poltronas
De um carpete
Mais alto que qualquer capim

Podres, tardiamente, vem à tona
Algo há por trás das balas de festim

Permuta-se, enrola-se
Usa-se, desfruta-se
Sacaneia-se
Tece-se a teia de seu próprio fim

26-06-09

sexta-feira, 12 de junho de 2009

Zeit und Liebe

Was haben wir zu verlieren,
Wenn unsere Liebe kommen und gehen,

Können wir zwar daraus nichts, sonst lernen
Wenn die Zeiten nicht bleiben stehen...

12-06-09

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Troquem, vocês, os seus sensores

Por um bom tempo,
daqui pra frente, voar,
só se for de porre, e bem caprichado.

Não sou nenhum masoquista.
Digam, de mim, o que quiserem.

Entro, no avião, com uma garrafa de Jack
embaixo do sovaco, quase vazia,
pois a primeira já terei sorvido em terra firme.
Meus sensores trabalham bem melhor ali.

Não me venham com teorias conciliatórias,
tese de especialistas, estatísticas, analistas,
mídias carnavalescas.

Tenho assistido filmes demais ultimamente.
Deixem-me, em paz, com minha coragem...

10-06-09

segunda-feira, 1 de junho de 2009

Aprendizes

Errar e acertar, por aí
Tropeçar no tempo

O tempo nada mais é que um intrometido
Com o poder da cura

Quem nunca amou
Nunca conheceu sua "Luiza", é muito azarado

01-06-2009