sexta-feira, 27 de novembro de 2015

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Poema falante

Ela carregava o fardo das horas
Vivia num penar sem fim
Parecia uma peça no teatro
Só que de texto ruim

Não se acata conselhos
Se o barco está de partida
Pra navegar na tempestade
A vela precisa ser recolhida

Novas rotas requerem desafios
A gente se move entre vidro e cristal
O curso é a sina do rio
A água, seu bem natural

24-11-2015

Aforismo XXXI

Urbanos eruditos:

Urbanos eruditos são seres humanos, que pertencem à mesma tribo
Mas não aturam um ao outro

24-11-2015

segunda-feira, 16 de novembro de 2015

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Poema remanescente

Você chega, você parte
Na hora que você quer

Talvez o que me afervore
Sejam suas (in) certezas
Suas andanças de mulher

Sobrem restos, sobrem cacos
A estrada não termina
Nos ferimentos, nos cavacos

12-11-2015

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Portfólio

Maquia-se
Muda o cenário

Joga-se com luzes
No estúdio, invoca-se a calma

Há descompromisso com emblemas

Invoca-se do corpo
A alma

06-11-2015

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Por fim

Espero alcançar o momento
Em que eu encontre alguns pontos
Lado a lado, reunidos

Que o desenho deles
Não forme um círculo vicioso

Mas, sim,  um traçado não capital
Jamais retilíneo

Uma estrada
Pela qual eu possa perder-me
Na busca pelo aprendizado

04-11-2015

segunda-feira, 2 de novembro de 2015