domingo, 29 de julho de 2012

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Anatomia

Peito: Fração nobre do corpo humano, onde a saudade se acama

25-07-2012

Acordes de solidão

Aquele violão calado, apoiado no colo

Cigarro apagado entre os dedos
Olhar perdido na ilusória fumaça
Embretado por fome e medo
No frio banco da praça...

25-07-2012

domingo, 22 de julho de 2012

Carona noturna

Bentas madrugadas, vontade de se perder por aí
Vem o desejo de que retardem as primaveras

O corpo (quase inteiro) permanece -- ad eternum -- nos bares
O resto dele viaja na cabine do Expresso Oriente, dançando um blues

A gente é como aquela folha de plátano regida pelo vento

22-07-2012

sábado, 21 de julho de 2012

Cochicho da percepção

Certos dias ensolarados desenrolam-se como um carretel...
Lentamente
Até que a ponta da linha fique úmida

Quando você menos espera, ela encontra o buraco da agulha
Um pouco antes ou depois do sol deitar-se

21-07-2012


Foto: Lorena Pimenta







quarta-feira, 18 de julho de 2012

terça-feira, 17 de julho de 2012

Samblues

O blues é a cara do samba
Assim a mãe África quis
Regou a raiz com o mesmo sangue
O mundo se fez aprendiz

O peito de ambos é como a brasa
Brilha na escuridão
Basta um acorde de guitarra
Uma batida da percussão

Do negro berço aos palcos
A simplicidade embala, seduz
Disfarçada na cadência de um samba
Quiçá no lamento de um blues

Samblues forma um casal, música que gente dança coladinha
Ama, separa, aprende a superar a dor
Enquanto um pede passagem, o outro volta de viagem
Nas encruzilhadas da vida, o acaso do amor

17-07-2012

segunda-feira, 16 de julho de 2012

Ironia na poesia, como chave de fenda

Humor é...

16-07-2012

...noção

Uma dama muito fashion, cheia de luz
Rebelde, ultra moderna

Que estaciona o carro em vaga de deficiente físico
Não recolhe da rua as fezes do cachorro

Xinga o passante, ameaça o segurança com processo
Ela é o maior sucesso, um mimo de sedução

Uma dama delicada que nunca pede socorro
Totalmente Zen...

16-07-2012

sexta-feira, 13 de julho de 2012

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Teto

Chuva sobre telhas francesas
Taças de vinho na mesa

Versos jorrando na calha
Cozinha, peça nobre da casa
Beijos, que a noite agasalha
Imaginação, alimento com asas

12-07-2012

Vapt-vupt de rua

Mão na sombrinha
Pés na calçada
Uma breve dançadinha
Tarefa acabada

12-07-2012

domingo, 8 de julho de 2012

Pausa infinita

O sol vem lamber minha pele
Sua saliva dourada agasalha mais que cobertor de pura lã

Vaidosos ipês admiram-se nos vidros espelhados dos edifícios
Buscam afirmação, como a dizer: "A natureza é soberana"!

Hoje no parque, não cabem guitarras, saxofones ou acústicos violões

Antes do aguardado crepúsculo, muito menos o alerta de um grito cabe
Compreendo aquele iluminado cearense, quando diz ser ele o infinito

08-07-2012

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Peyote

De champagne, vinho, imaginação
Tequila, absinto, poesia
Ilusão

De suas virtudes, tome hemorrágicos porres
Mergulhe na música, crie seu mescal

Antes de adormecer e ao despertar, questione seu relógio
Diga que você não é refém

05-07-2012

quarta-feira, 4 de julho de 2012

Bananas

Uma banana pra porra da verdade
Sobre a existência, a (in)utilidade humana

A gente tira o peso de cima da vida, ela nos joga pro alto
Não tem outro jeito, as quedas são partes do jogo

04-07-2012

terça-feira, 3 de julho de 2012

Pianutopia

Mudou-se
Levou na bagagem a alegria do bairro

Nas noites de bar, o piano gozava da carícia de seus dedos
União de veludo e marfim

Samba, blues, jazz
Até o sino da igreja acusar seis da manhã

Quis segui-la para o norte
Ele era incapaz de ler nos úmidos olhos dela:

"Não me acompanha que eu não sou novela"

03-07-2012

Fotografia, dezembro de 2014

segunda-feira, 2 de julho de 2012