domingo, 30 de janeiro de 2011

Tambor

Nessa madrugada
A essência do que eu sou disse-me assim:

"Seja tudo o que você desejar, na estrada".
"Só, não se esqueça de mim."

30-01-11

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Cereja de bolo

Intimidade.............hoje em dia

27-01-11

Laranja

Em gomos

Um de cada vez

A se descobrir


Tem a pele pronta pra roçar

E um sumo de Lingerie

27-01-11

Passageiros

As coisas estão espalhadas por aí
À névoa apegadas
Ao sabor do vento elástico

Nós as admiramos, sentimos
Conversamos com elas

Um sussurro, um grito que ecoa de algum poço
Um sorriso
Vivemos pra topar com espelhos

27-01-11

Poem (a) marelo

O motivo da insônia sob o vestido
Atiçados faros, trançados de coxas
Calor de vertentes termais

Chamamentos, verbos
De sobrenome: Esperança

27-01-11

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Beija-flor

Ficou suspenso no ar

Quando o brinco-de-princesa ofertou-lhe a língua

26-01-11

Intrujão

O pintassilgo não pinta nada

26-01-11

Desate

Quem me dera, a fineza, o brilho, o vermelho da sua seda
Viessem para enfeitar o meu pacote

Uma tênue trama de fibras, tributo à beleza
À delicadeza do tope

Um mapa sobre o papel do seu tesouro em pergaminho
Por dentro dele, corpo em brasa
Coração, outrora fel
Cansado de bater sozinho

26-01-11

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Branca, com renda rosa

Como ousam, cores vilãs
Roubar-me o mel, a maçã o canto
Gemidos que desconheço
Rendados em verso e prosa

Tocassem elas meu peito
Tomado de poesia e lume
Levariam-me aos jardins do teu éden
Às essências dos teus perfumes

24-01-11

Poemelétrico

Você se encosta, eu curto-...#&*.#@..^^*@++¨¨¨.\##@**...-circuito

24-01-11

Gorjeios

As comadres resolvem colocar os assuntos em dia.
Tudo bem, se não fosse no galho colado à veneziana.

Devo confessar, o som é de alta fidelidade, estereofônico.
Mansamente, de um olho só, procuro um certo alento no relógio de cabeceira.
Ele não perdoa: São cinco e quarenta da madruga, batidinho.

"Impossível", penso em voz alta. Nessa hora não há tagarelar entre vizinhos, nem aqui, nem em qualquer lugar de mesmo fuso.

Se abro a janela e reclamo, elas dirão que estou de mau humor e que não estão nem aí pra minha quietação. Eu não tô a fim de barraco.

Devem ter penas azuis, amarelas, verdes. Das cores do nosso estandarte, as Caturritas. O travesseiro me consola, ao contrário do relógio arrasta-me para o colo do sono. Já no sonho, com um pé no abismo, conto estrelinhas brancas sobre um fundo azul celeste.

Vivas à nossa bandeira!

24-01-11

sábado, 22 de janeiro de 2011

Declaração

Serei mais racional, menos sensível, mais materialista, menos pentelho
Muito consumista, ardiloso como os políticos e viverei pra fazer dieta

Podem tampar o caixão

22-01-11

Ping-Kong

Também quero ser macaco grande

Ter um peludo indicador

Pra "brincar" com sua frente única

22-01-11

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

Armação da piedade

A terceira marcha engata no meio do viaduto
Ao lado de uma carroça
Com esse calor não há quem possa
Me diz o papeleiro astuto

Na quarta, estou de partida
Quero cores, águas, esteiras
Mares, origem da vida
Verde, na última sinaleira

20-01-11

Lágrima presa

As algemas! As algemas!

Você sai e nem deixa a chave...

20-01-11

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Cenapoema II

Cabelos trançados tem a moça do bairro Rubem Berta
Anda perdida pelos altos da Bela Vista

Sua atenção se divide entre orelhão e agenda
A vista mais bela da cidade, no verão, não foi pra praia

Pra inveja de outras prendas
Ficou na cidade, rodando saia

19-01-2011

Erva

Generoso, o mar

Vem para lamber-me os pés


Sou o desejo de ser

A bomba do seu tereré

19-01-11

Moda

Suas questões, suas são
As minhas
Você não se mete com elas

Navegamos,
Atracados no cais

....................................................

Mode

Deine Sache
Die sind nur deine
Meine
Hast damit nichts zu tun

So segeln wir
Am Kai angelegt

19-01-11

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

domingo, 16 de janeiro de 2011

Samaumeira

Que eu não parta, antes de beijá-la a fronte

16-01-11

Um pra lá, outro pra cá

Se poeta apodrece
Quero ficar entre o verde e o maduro

16-01-11

Tempestade, mar, lampejo, calmaria, bolhas de sabão......

Amor, Romã

Vagas? Sim, existem:
Entrada(s) pela(s) nossa(s) cicatriz(es)

16-01-11

Meias de lã

Sentávamos, um frente ao outro, na labuta
Ela me queria canalha, Eu a desejava puta

Nas horas preguiçosas do dia
Mais ela apertava suas coxas, mais o serviço rendia

16-01-11

Rareza

Até parece coisa de conto de fada

Depois de você trabalhar um dia inteiro
Chegar em casa, encontrar escrito no bolo: PAZ

Com letras de açúcar de confeiteiro

16-01-11

Estilhaços em "p"

Detesta ser desligada, quando está triturando papéispoemaspoetas

16-01-11

Vento

Ele me traz um recado de domingo

Que amor joga sem regulamento

Acontece até quando se está dormindo


Que é bom sempre estar atento

Sonhos, nem sempre são lindos

Mas não amar é o pior lamento

16-01-11

sábado, 15 de janeiro de 2011

Lavor em relevo

Num passo brando de dança

Mãos arrastam meus olhos e sua calça, cintura acima


Bordam desígnios na laje os saltos da graça

Até a inevitável dobra na esquina


Sua silhueta evapora, o rádio canta, o rádio cala

Enlevado pelas artimanhas do clima

15-01-11

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Weekend

In your Lips, my Trips

14-01-2011

Óleo sobre tela

Pra dizer o bem que lhe quero
Eu não preciso de um verso com rima
Mas um que seja sincero

Se não nascer a cadência na prosa
Me inspiro em seu perfume de rosa
Bálsamo para peito em ferida

Eu pinto um céu em nuanças de vida

14-01-11

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Falante

Tabebuia ! Ela diz, enquanto eu admiro suas folhas de duplo verde.

Por cima: musgo, por baixo: claro aveludado. Você já leu a placa no meu pedestal? De fato, ao lado estava, com nome de patrono e tudo, bronze no mármore. O tronco subia em forma de violão para a copa. Você tá me paquerando? Não, tô admirando seu jeito chique.

Ainda bem, diz ela, você não é meu tipo.

13-01-11

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Fomes

Você me almoça, eu lhe janto

Nos comemos no café

12-11-10

Gemido de rua

Ela faz acreditar

Que o Crepúsculo e a Aurora são possíveis

Então, de repente, ela some


Dobro a esquina, entro no beco mal iluminado

Apoio-me no muro inatingível

Tô sem nome e sobrenome

12-01-11

Batida de martelo

Alvoroço
Na quadra, o café da manhã é interrompido por um S.O.S.

Uma coruja, voando baixo, bate nos fios de alta tensão
Ela é levada ao veterinário da praia, ele mantém uma U.T.I. nos fundos da casa

Sangra pelo bico e por um olho, asa quebrada, primeira avaliação
Se não desnucou, tem cura, mas nunca mais vai voar

Virá o veredicto, instala-se o luto

12-01-2011

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Bom agouro

O pó acumula-se sobre os chapéus no cabideiro
A testa nua refresca-se ao sabor do vale

Palha à Lã, contemplo o trabalhador na lida
Toco a grama triturada, molhadamanhecida

O fio da roçadeira poupa o besouro sonolento
Que parece estar no seu ciclo de sorte

10-01-11

sábado, 8 de janeiro de 2011

Erwartungen

Frhöliche Nacht, heilige Nacht

Hoffnung auf einen Wunder

Kommen aber massive Dosen vom Quatsch

08-01-11

Surdo de marcação

Carente, um blues bate à porta
Adentra à sala, se acomoda
Sirvo-lhe dupla dose do cão com alguns cubos de gelo
Que pra um Cowboy o calor tá foda

Falamos de mulher, ele alisa a almofada do sofá
A penúltima arrancou sua coroa de bamba
Quer saber de Iemanjá
Fevereiro traz gozo, sereia e samba

08-01-11

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Magia

Conta com a sorte, ao vislumbrar a poesia
Que paira no ar desapercebida

Com o tempo, você terá de ser forte
Porque ela vai querer permanecer sumida

06-01-11

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Poderosa

Toda branca, ou Toda rosa
Mimosa flocculosa

É falso, que flor no asfalto não vinga
Rósea Bracatinga

05-01-11

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Durante duas horas e pouco

Voa a moto em ziguezague. É um revólver engatilhado.
Homicídio, suicídio, ambos,tanto faz; está à disposição o buffet.

Trafego, de carro, atrás de uma carreta de três eixos, carregada de frangos enjaulados rumo ao matadouro, eu penso na logística e em Ausschwitz.

Admiro, de soslaio, o milharal: Colheita record neste ano, e oro para o milho, como fez Cora Coralina.

A cidade me recebe com trânsito leve, de janeiro. No rumo de casa, um flamboyant exibe-se na esquina e parece uma dama, que vai me tirar pra dançar.

04-01-11

Trabalho, Job, Arbeit, Trabajo

Se eu tivesse um chefe, queria que ele fosse índio

04-01-11

domingo, 2 de janeiro de 2011

Adubar

Cala a natureza

Faz falta um castelo na areia, um estalo de onda no mar

Sou rosário de perguntas, sou pista de rodagem sem chegada

Quando as coisas resolvem sumir, quando a própria solidão se ausenta, a gente é fênix

02-01-11

sábado, 1 de janeiro de 2011

Fábula

"Acho que ontem comi uma cigarra "...cai em si a formiga
Ao se defrontar com o amasso na cara

01-01-11