quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Canhoto

Chuta meu ventre com a canhota, boceja
Chora ao som de cavaquinho, violão e reco-reco
Tenta ser alguém este feto

Sem capa, nem guarda-chuva nascido
Único e disperso, amorfo verso

30-01-2013




terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Preencha os espaços pontilhados

Educação:

Para não passar cerol em linha de pipa
Para não soltar fogos em recintos fechados
Para não ser um povo omisso
..............................................................
..............................................................
..............................................................
..............................................................

29-01-2013

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Mercy's Blues

Need no power
Just my pen and poetry

Need no power
Just a hot blues to be free

Need no power
I don't wanna stay on misery

Need no power, Lord
Have mercy on me

25-01-2013

sábado, 19 de janeiro de 2013

Contrastes

Todo finlandês que se preza, afirma que sua cerveja é uma maravilha
Adoraria ter uma avó em Sevilha

Todo alemão diz que não precisa, porém curte passar férias em Ibiza

Todo argentino boleiro, jogaria no Rio de Janeiro
Mais ainda, pelo dinheiro

No inverno, todo sulista tem um pé no nordeste
Todo nordestino sonha com natal e lua de mel em Gramado
Quem aposta no cassino em Punta Del Este, não quer saber se o mar é gelado

19-01-2013

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Amsterdam

Andarilhar pelas esquinas
Flanar nos canais
Pelos bares afinados com Blues

Sou mero aprendiz
Eterno tiete,  cantando teu bis





Leonid Afremov (1955)


18-01-2013

Por que elas nos atraem?

Porque
No que se refere à mulher

A gente nunca sabe
Onde começa o anjo e onde termina o diabo

18-01-2013

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Ao despertar

Essa vontade, de dar-te um "Bom dia"!
Daqueles, vindos  de uma espontânea, "injustificada" alegria

É a mesma sensação, quando está pra nascer um poema
Um filho meu, mas com asas Lorenas

17-01-2013

Khymeía

Dispara o flash na memória
Parecemos crianças

Tudo o que fazemos é verdadeiro
Efeito de poções mixadas pelos magos

Amansa-se o tempo
Nos tornamos mestres nos adereços e nas alegorias
Seriam perfeitas as fantasias, se não houvessem as seduções das primaveras

17-01-2013

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

De Barros II

Sou pela azeitona no pastel
Sou pelo Nobel ao Manoel

15-01-2013

Até qualquer dia

Fujo das letras, recluso meio a ondas sonoras
Lá, onde viaja-se feliz e a dor da perda evapora

Meu pensamento é meu dono
Efêmero abrigo

Sonífera ilha de paz
Onde lembro de beijo de irmão
De bem querer de um amigo

15-01-2013

domingo, 13 de janeiro de 2013

sábado, 12 de janeiro de 2013

Esquetes flamencas

Alguns versos de trompete aguardam-lhe nas gavetas
Com a companhia de piano e saxofone

Outros estão solitários

Ao sair, deixo as chaves no cinzeiro
E o peito na bateria

12-01-2013

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Depois de Woodstock

Enquanto preparo o churrasco, "converso" com o vinho

Os mais velhos diziam que éramos um bando de drogados, alienados
O sonho de minha geração chegou ao fim, mas não fomos omissos (longe disso)

No futuro, a  "pegada"  iria ser punk, nós suspeitávamos,
de  muitos de nós nasceriam incontáveis "soldadinhos de chumbo" com chips implantados nas nádegas

Eles seriam incapazes de debater, contestar  e, conforme o caso, desobedecer qualquer ordem  imposta a eles, por mais absurda que ela fosse

Uma geração de não leitores não poderia interpretar um simples texto
Sendo assim, como teriam interesse em alterar o vigente "estado das coisas"?

10-01-2013

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Orquestra

As coisas complicadas, eu as queria simples
Por isso, eu pergunto tanto

Duvido da frieza destas  ruas asfaltadas
Dos anúncios de felicidade nas vitrines
Das promessas vindas do poder
Eu nasci pra duvidar

Quero perder-me nos encontros
Iludir-me nos acordes de um violão vadio
Reluto em seguir a mesma, surrada partitura

09-01-2013

sábado, 5 de janeiro de 2013

Persona

É do pica-pau o som melódico
Que vem do alto dos ciprestes

Ele e o tico-tico despedem-se dos quentes dias
Por último

Quem garante é Seu Egídeo, o Jardineiro

No dia a dia, ele circula, de lá pra cá
Veloz como passarinho

A mata o tem como irmão
Como um aprendiz, que conversa com a natureza

Pra mim
O  Seu, que ele dispensa antes do nome ,  significa
Doutor

05-01-2013

* "seu" Egídeo faleceu em julho de 2015, aos 57 anos de idade.
Este poema é dedicado a ele.

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Comunicado

Há noites
Em que um rio de lava, de desconhecida nascente
Arde, lhe consome o ventre

Não satisfeito
Escorre por seus vales, esparrama-se pelas coxas
Evapora e ressuscita latente

Chega a madrugada, você insone, suada
Imersa em fantasia
Uma voz, vinda do criado mudo, acaba com sua pseudo agonia:

"São quatro horas e doze minutos, senhoras e senhores"!
"Estivemos fora do ar, devido a falta de energia elétrica em nossos transmissores"!

03-01-2013

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Apelo

Há noites
Em que um rio de lava, de desconhecida nascente
Arde, lhe consome o ventre

Não satisfeito
Escorre por seus vales, esparrama-se pelas coxas
Evapora, ressuscita latente

Chega a madrugada, você insone, suada
Eis que uma voz, vinda do seu criado mudo
Inundada de vontades, por tabela
Implora, tão alto que se escuta muito além da janela
Então, você entrega-se a tudo

02-01-2013

terça-feira, 1 de janeiro de 2013