quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Warmth

Someday
I'll ask you to stay
We'll talk under the trees

Then, this day
Our friend, the shadow
Will make confortable our sleep

24-02-11(for D)

Quando

Quando o sargento Garcia prender o Zorro

Quando a Diana casar com o Fantasma

Quando o Super Homem for imune à Kriptonita

Quando eu for Papa

Quando ressucitar Frank Zappa

Quando você usar um vestido de chita

Quando o samba voltar para o morro

Quando Batman e Robin pedirem socorro

Quando você me amar de verdade

Quando Narda esquecer Mandrake

Quando o Recruta zero engordar como o sargento Tainha

24-02-11

Poemestético

Não resolve turbinar o bumbum
Se da boca só sai pum

24-02-2011

Dos imprevistos

Até parece que a sorte se cala, quando a saúde da gente se abala

23-02-11

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Bula

Efeito colateral--matinal--, após noturnas doses de carinho:

Indecisão do paciente entre despertar e flutuar

19-02-11

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Até a próxima

À direita da entrada, uma pequena rampa dá acesso à sala
Está ali no canto, ao lado da televisão
Nunca se acostumou com ela pela manhã

Beijo-lhe a testa, depois a face
Estendo as mãos, abraço, apalpo seus braços pra reter o tempo
Nunca reclama de nada, meu espelho

Tem de ser dor de derrubar, de parar em hospital
Enganamos lágrimas num passeio ao passado e ao futuro
Não há muito a dizer, está lúcido e ciente."As coisas são, como são". Sorri e ensaia piadas.

Chamam para o almoço, estamos nos despedindo

16-02-11

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Estratégia

Chegou do Uruguai, não da Argentina, a pseudo frente gelada.
Lascou um "selinho" nas folhas do gigante abacateiro e foi-se.

Retiram-se, brevemente, as formigas. "Amassam o pão", à espera de um outono-inverno veneziano, quem sabe?

Dos tufos de terra molhada--que se assemelham a pequenos vulcões-
Emergem as primeiras cabeças das lava-pés(Solenopsis), surpresas com o retorno do verão.

14-02-11

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Mareika

A criança nos braços de uma mulher, ambas acomodadas no sofá
Um nome russo, na Alemanha de um muro recém posto abaixo

Nunca mais as vi
Agora, a fotografia

Uma mulher
E um país que se adapta

12-02-11

Despedida

Aqueço água na chaleira
Passo um café de saco
Esquento o pão pra você

Antes do seu despertar, calço os sapatos
Desço a ladeira
Em busca do que poderia ser

12-02-11

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Brinde

Olhos na proa, além do horizonte
É sem leme a nau de poeta

Lobo desgarrado da alcateia
Comida de ursosistema

Versa no terreno de ideias
À desvairança

Brindemos!

11-02-2011

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Desvelo

Affettuosa, no fa così (Afetuosa, não faz assim)

Sei que você se magoou
Mas não posso responder
Ao que você não perguntou

Avesso às circunstâncias
O sentir não é proibido, ele existe
Pela nossa breve afinidade
Esse canto não é triste

Se, os dedos olhos foram
E com eles vimos um jardim
Negue que gosto de você
E que você gostou de mim

10-02-11

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Bastimento

Assovia a lâmina dentuça

Brotam lágrimas, de sua majestade, o chorão

Desde as folhas, tronco abaixo além das raízes

Como a regar, no ventre, a próxima muda

09-02-11

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Ortovisão

Do seu jeito, a morena me diz:
" Veja os trapézios nos dentes como uma imagem lúdica"

Esqueci-me da dor
Quando me larguei porta afora
A cidade estava tomada de brinquedos

08-02-2011

Blues de sábado

Deixemos assim
entregue a um sábado qualquer

Eu lhe telefono de um balcão de bar
onde deito o poema no granito

Arredo uma poltrona à altura de dois pares de olhos aquários
querendo partir os vidros

08-02-2011

Passeio

Ao seu redor
Gravito adolescente

Para renovar o ar

08-02-11

domingo, 6 de fevereiro de 2011

Enfatuado

Quando? Eu sempre soube:
O tempo me percorre como o mar

Onde? Eu ainda não sei:
Como se o lugar ofuscasse o tempo
Roubasse o poder do acontecer

Essa bola toda, nenhum espaço físico deveria ter

06-02-11

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Petição frente ao mar

Que Iemanjá nos proteja
Para que nos encontremos um dia

Que eu possa lhe retribuir tudo que não é preciso
Pois a resposta está na nossa mudez

04-02-11

Toca Led ou Raul

E, ao som do Rock and Roll do Bicho da Seda

Mamãe tico-tico ensina seus filhotes:

Árvores, cujo destino é a indústria de celulose

Não prestam para (re) pouso

04-02-11

Bentas horas

Uma cortina do olho a outra chama, preguiçosa
Como se fosse a senha para um bocejo

Estico o corpo inteiro
Saúdo a mediana claridade

Arrasto minha coragem em ponto morto
Ao encontro do seu modo de engatar (-me)

04-02-2011

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Pavimento

Houve um tempo em que o trem parava na estação
Os palhaços desembarcavam, seus passos não encontravam chão

Hoje, eles brincam como Chaplin
Chutam letras nas nuvens

Primeiro o A, depois o B...
Negociam com as vírgulas, brigam com a gramática

Até passar o próximo comboio

03-02-11

Banzado

Brindes ao inesperado, sem idolatrias

03-02-11

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Después de La Vendimea

Manos frias, corazón ardiente
Tinto de amor (colorido-a- de amor)

Hacia gusto ver lo(a) bien

Você o(a) tratava como a um chinelo velho
Quando ele soltou as tiras, os pés eram os seus

01-02-11