segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Cabo Branco

Dobram-se ao vento sul coqueiros e bambuzais
enquanto
a erosão marinha molda falésias

Alheias à paisagem
mulheres rendeiras batalham pelo pão

Recorro às palavras guardadas na memória
mas sua sala de máquinas apega-se à calmaria
como se acompanhasse o ritmo urbano de um domingo

Então
a maré, pouco a pouco, envolve barcos  preguiçosos

É quando o mar nos navega

04-01-2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário