sábado, 24 de janeiro de 2015

Blues de sábado

Deixemos assim
entregue a um sábado qualquer

Eu lhe telefono de um balcão de bar
onde deito o poema no granito

Arrasto uma poltrona à altura de dois pares de olhos aquários
querendo partir os vidros


08-02-2011  -- 24-01-2015

Nenhum comentário:

Postar um comentário