terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Poema urbano II

Silencia, pulsa todavia
Inculca

Em cada esquina reluz uma afiada aresta

A cidade é um blues
Que flui pela femural

Todo vulto passante
Qualquer corpo adormecido
Carrega uma imagem que me desperta

18-02-2014

Fotografia, março de 2016



Nenhum comentário:

Postar um comentário