terça-feira, 1 de setembro de 2015

Balada geminiana

Cada afago na tua pele
Abranda os dias em que não te vi

O caminho dos meus dedos
Espanta o tédio, educa os medos
Parece céu que vai se abrir

Se não sou o teu gigante
Perdoa, amor, o falso instante
Que, com punhais palavras, te feri

Nas noites, quando despertares
No teu ninho de abandono
Viaje a todos os lugares

De carona no teu sono
O despertar serei eu
Em ti

01-09-2015

Nenhum comentário:

Postar um comentário