sábado, 5 de abril de 2014

Pensare

No cais do porto -- a praia do mercado público --
Uma velha fragata
Condenada ao forno siderúrgico, jaz

Ela serve de casa aos pombos
Que tem, a seu dispor, um armazém de grãos

Pombo não esquenta a cabeça

De vez em quando
Na gente
Bate a vontade se ser um

05-04-2014

Nenhum comentário:

Postar um comentário