sábado, 2 de maio de 2009

Legado

Abre-te , Sésamo!
Eu quero ver o tesouro
O mundo que será herdado
As árvores que assassinei

Abre-te, verde ferida!
Quero ver a cara
Da vida que matei

Que venham os insetos à cata de meu sangue
Minhas veias são de metal
Concretei, onde havia mangue

02-05-09

Nenhum comentário:

Postar um comentário